Depilação a laser e suas pérolas

Comentários

4

Marcelo César

Janeiro 13, 2014 12:01 am Responder

Olá.

Texto muito bem explicado, porém tem um ponto que não foi explicado e que existe literatura abundante na internet a respeito.
Para que ocorra o LASER deve-se ter uma fonte de luz ( fonte de geração de luz ) e que para que ocorra o LASER são utilizados filtros e outros equipamentos para atingir determinado comprimento de onda, o que caracteriza o LASER.
O IPL ou intense pulse light, utiliza a fonte de geração de luz do LASER a lampada de Xenônio.
Não sou nenhum técnico, muito menos engenheiro de qualquer tipo. Abaixo texto publicado pela PUC/RIO a respeito deste assunto, um paragrafo antes do capitulo 2.3 esta descrito ” existe varios tipos de laser… pulsado ” inclusive.


2.
Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada
A luz está presente em praticamente todos os momentos de nossas vidas e
tem fundamental importância para a sobrevivência da vida no planeta.
Atualmente, vários equipamentos médicos utilizam luz para diferentes aspectos de
seu funcionamento. Nesta dissertação, foram realizados estudos referentes à
avaliação da conformidade de equipamentos médicos a laser (Light Amplification
by Stimulated Emission of Radiation, amplificação da luz por emissão estimulada
de radiação) e Luz Intensa Pulsada (Intense Pulsed Light, IPL). A seguir, faz-se
uma revisão sobre conceitos básicos relacionados à radiação luminosa, ao laser e
ao IPL.
2.1.
Radiação Luminosa
A radiação eletromagnética de comprimento de onda na faixa da radiação
ultra-violeta até a infra-vermelha – aproximadamente entre 200 nm e 20 m – é
usualmente chamada de luz (Figura 1). A capacidade de enxergar todos os
comprimentos de onda do espectro visível varia de pessoa para pessoa, mas, por
definição, a luz visível tem comprimento de onda entre 400 nm e 700 nm [3].
Figura 1 – Espectro Eletromagnético [4]
A velocidade da luz no vácuo (co) é uma constante cujo valor foi fixado em
1975 pela 15a Convenção Geral de Pesos e Medidas (CGPM) do Bureau
Internacional de Pesos e Medidas (BIPM) como sendo igual a 299 792 458 m/s
27
[3]. A partir deste valor, do índice de refração do meio e do comprimento de onda
da luz, é possível calcular a velocidade de propagação da luz em outros meios.
As características básicas da luz são: freqüência, intensidade ou amplitude
(brilho), e polarização [5]. Para o estudo das normas e equipamentos nesta
dissertação, trabalhou-se principalmente com as seguintes grandezas: freqüência,
cuja unidade no sistema internacional de unidades (SI) é o hertz (Hz);
comprimento de onda, geralmente expresso na unidade no sistema SI metro (m)
combinado com o prefixo para 10-9 (nm); energia, cuja unidade no SI é o Joule
(J); e potência, cuja unidade no SI é o Watt (W). A relação entre potência e
energia é dada por [6]
Potência (Watt) = Energia (J) / Tempo (s) (1)
A luz pode ser monocromática ou policromática. A luz monocromática é
composta de um único comprimento de onda, e a luz policromática é composta
por vários comprimentos de onda.
Com relação à natureza da luz, esta exibe propriedades de onda e
propriedades de partícula. Esta característica, chamada de dualidade ondapartícula,
é um conceito básico da mecânica quântica que afirma que todos os
corpos têm natureza tanto de partícula quanto de onda. Isso significa que a luz
pode ser representada por ondas eletromagnéticas ou por fótons, dependendo da
situação [6]. A representação da luz composta por fótons é mais conveniente para
se discutir a absorção e emissão da luz.
A Figura 2 mostra a amplitude, que está relacionada à intensidade da luz.
Esta é uma medida escalar (positiva) da magnitude da onda, que determina a
quantidade de energia transportada. Assim, quanto maior a amplitude de uma
onda, maior a energia transportada.
28
Figura 2 – Amplitude e comprimento de onda [12]
A Figura 2 também mostra o que é o comprimento de onda () de uma onda
monocromática, que no caso da luz visível está associada à cor percebida pelo
olho humano. O comprimento de onda () é definido pela distância entre duas
“máximas” ou “mínimas” vizinhas [7].
O comprimento de onda da luz varia conforme o índice de refração do meio
em que se propaga, mas a freqüência (f) permanece constante [5]. A relação entre
o comprimento de onda e a freqüência (f) da luz é dada pela relação [11]
f = c (2)
onde c é a velocidade da luz no meio em que está propagando e é função do
índice de refração do meio [7].
A energia da luz em função da freqüência da onda é dada por [5],
E = hf, (3)
onde E é a energia e h é a constante de Planck [6].
2.2.
Laser
Como mencionado anteriormente, laser é o acrônimo da expressão em
inglês Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation, que em português
significa amplificação da luz por emissão estimulada de radiação.
O modelo do átomo de Bohr pode ser usado para explicar a absorção e
emissão de luz (radiação). Em 1912, Bohr determinou algumas leis para
desenvolver um modelo para o átomo, no qual os elétrons giram em órbita ao
redor do núcleo atômico [13]. Neste modelo, o átomo é representado por um
29
núcleo (carregado positivamente) e por elétrons (carga negativa) circulando ao
redor deste núcleo. Os elétrons circulam em determinadas órbitas, cada qual com
um nível de energia definido. O estado quântico do átomo ou molécula dependerá
da distribuição dos elétrons nos vários níveis possíveis de energia. Átomos
absorvem e emitem luz unicamente se puderem passar de um estado de energia
para outro [6; 14].
A absorção de luz ou de outra forma de energia ocorre quando um elétron
recebe energia por excitação térmica, colisão de elétrons ou absorção de fótons [6;
8].
A Figura 3a mostra o átomo migrando de um nível energético mais baixo
para um mais alto. Os átomos só podem absorver energia em valores quantizados,
pois a absorção de energia só ocorre se for exatamente igual à diferença entre dois
níveis de energia possíveis para o elétron. Da mesma forma, na emissão
espontânea a energia emitida é igual à diferença de energia entre o nível inicial e
o final. Na emissão espontânea (Figura 3b), os átomos emitem luz incoerente
(sem relação de fase) e em várias direções, sendo que, em meios homogêneos, a
luz emitida apresenta uma direção preferencial [2; 6; 8; 15]. Na emissão
estimulada (princípio de funcionamento do laser), um fóton incidente estimula a
emissão de outro fóton, que, por sua vez, é idêntico ao primeiro fóton (Figura 3c).
Um sinal de entrada faz com que os átomos de um meio ativo emitam fótons
coerentes (emissão de luz em fase com o sinal de entrada, onde apenas uma fase
define a onda eletromagnética) [8].
30
Figura 3 – Transição de elétrons entre níveis de energia por (a) absorção, (b) emissão
espontânea, e (c) emissão estimulada [9].
A amplificação (ou ganho óptico) de um sistema laser é bem definida por
um amplificador comum: um sistema que proporciona um sinal de saída maior
que o de entrada, quando muito bombeado [2]. Esse ganho do laser é resultado da
emissão estimulada de fótons. O meio amplificador de um laser fica situado entre
dois espelhos, permitindo a reflexão dos fótons e sua amplificação [8].
O laser pode ser classificado segundo o meio ativo e o tipo de excitação
utilizada para desencadear o processo [16]. O meio ativo – que é composto por
grande número de átomos, moléculas ou íons [17] – pode ser sólido, líquido,
gasoso ou semicondutor. Vários materiais podem ser utilizados no interior de uma
cavidade óptica como meio ativo: isolantes dopados (Cr3+, cristais de Nd:YAG,
Er:YAG, Ho:YAG); corantes orgânicos diluídos em solventes líqüidos (Rodamina
6G e Cumarina 2); semicondutores (diversos tipos de diodo); e excímeros
(moléculas diatômicas: KrF, XeCl; e químicos, produzidos por reações
exotérmicas: HF, CO).
As principais características do laser são: feixe colimado, luz coerente, e,
em grande parte dos lasers, luz monocromática; o laser também pode ser contínuo
31
ou pulsado [1; 2; 18]. Existem diversos tipos de laser utilizados na medicina e
alguns deles são apresentados no capítulo 3.
2.3
Luz Intensa Pulsada
O IPL é uma fonte de luz de alta intensidade que emite luz policromática
(515 nm a 1200 nm) [19; 20; 21], não colimada e não coerente.
Numa lâmpada de Xenônio, fonte do EEM IPL, o filamento da lâmpada se
aquece devido à corrente elétrica que o atravessa, por efeito Joule [15].
O Xenônio é comumente usado como uma fonte de luz devido à iluminação
brilhante que fornece quando exposto à energia. A lâmpada de Xenônio,
primeiramente desenvolvida para servir de fonte de bombeio para o laser, vem
sendo usada terapeuticamente com aplicações diretas. Nos anos 60, começou a ser
usada com propósitos médicos, ao surgirem dados em uma publicação que
abordava, entre outros temas, um tipo de tratamento da pele [12]. Até o presente
momento, não são utilizadas outras fontes para equipamentos eletromédicos a IPL
que não sejam as lâmpadas de Xenônio. ”

Espero ter contribuído com um pouco mais de informação a todos.

Marcelo

    maricnegrao81

    Janeiro 13, 2014 9:08 am Responder

    Ola Marcelo, Muito obrigada por sua contribuição, vc pode me passar o link para eu disponibilizar aos seguidores do blog? venha sempre e nos ajude com seus conhecimentos! até a próxima!

Marcelo

Janeiro 13, 2014 1:15 pm Responder

Bom dia,

Segue link deste material,

http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/10706/10706_3.PDF

Até logo.

    maricnegrao81

    Janeiro 13, 2014 3:57 pm Responder

    Muito obrigada 🙂

Comentar